3 de setembro de 2019

A visão do CRISTO GLORIFICADO


Texto:

E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro. Ap 1.13

Introdução

Aproximadamente no ano 95 D.C.  e com a idade aproximada de 85 anos João foi decretado à morte por Tito Flavio Domiciano (Imperador de Roma) sendo lançado em um caldeirão de azeite fervente, mas como não morreu foi levado à ilha de Patmos, uma colônia penal romana, a fim de morrer pelos animais selvagens dali. A ilha era vulcânica, inóspita e praticamente desabitada. Mas o propósito de Deus era outro com João naquele lugar.
João está isolado, banido, preso, com os pés no vale, mas a cabeça no céu. Seu cativeiro tornou-se lhe a porta do céu.
João descreve a razão de estar naquele lugar: “estava na ilha de Patmos, por causa da palavra de Deus e pelo testemunho de Jesus Cristo.” Ap. 1:9

  • A ilha do exílio transforma-se em porta do céu.
  • Em Patmos ele enfrentou a dor do exilio, mas em espirito ele entrou na sala do trono.
  • Em Patmos nós sofremos, mas em espirito, nós reinamos!
  • Apocalipse não é a revelação de João, mas a Revelação de Jesus a João.


- A visão gloriosa de João.

O apostolo tem a visão do Cristo Glorificado porquê não tirou os olhos do Cristo crucificado. No dia da crucificação João é único apostolo que fica até a morte do Mestre Amado.
João foi o único discípulo a ficar com Jesus até a sua morte na Cruz, vendo todas as cenas daquele fatídico dia. Viu exatamente o Cristo apresentado por Isaias no capitulo 53. Deixa-me comparar as visões dos dois momentos importantes na vida de João.

João descreve oito partes do corpo de Jesus e tenta de maneira comparativa descrever o que ele está vendo. VEJAMOS:

Suas Vestes. Ap 1:13
  • Na cruz: João vê um Jesus despido e todo machucado com 468 cortes nas costas.
  • Na visão: “vestido até aos pés de uma veste comprida e cingido pelo peito com um cinto de ouro.”
  • Simbolismo: Fala de Cristo como Sacerdote e Rei. Ele nos conduz a Deus e reina nobre nós.



Sua Cabeça. Ap 1:14a
  • Na cruz: Jesus usava uma coroa de espinhos, com os cabelos cheios de sangue.
  • Na visão: “E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve”
  • Simbolismo: Fala da Sua divindade, da sua santidade e da sua eternidade. A cabeça alva é símbolo de honra.



Seus Olhos. Ap 1:14b
  • Na cruz: Jesus estava com os olhos inchados e avermelhados da noite sem dormir e do suplício que havia passado.
  • Na visão: “e os seus olhos como chama de fogo;”
  • Simbolismo: Fala da sua onisciência que a tudo vê e perscruta.



Seus Pés. Ap 1:15a
  • Na cruz: Jesus estava com os pés pregados e ensanguentados.
  • Na visão: “E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha;”
  • Simbolismo: O bronze reluzente fala de força e estabilidade. Pois está escrito: “Convém que Ele reine até que ponha todos os seus inimigos debaixo dos seus pés” (1Co 15:23)



Sua Voz. Ap 1:15b
  • Na cruz: Rouca, embargada pelas dores
  • Na visão: “e a sua voz como a voz de muitas águas.” “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem;” (Jo 10:27) SALMOS 29 FALA SOBRE A VOZ
  • Simbolismo: Fala do poder irresistível da sua Palavra. A voz de Cristo detém a última palavra.



Suas Mãos. Ap 1:16a
  • Na cruz: Jesus tinha pregos em suas mãos
  • Na visão: “E ele tinha na sua destra sete estrelas;”
  • Simbolismo: A mão direita é a mão da ação, com a qual age e governa.



Sua Boca. Ap 1:16b
  • Na cruz: Jesus estava com a boca seca, com a língua colada ao céu da boca, por muita sede.
  • Na visão: “e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios;”
  • Simbolismo: Fala da sua arma tanto de combate. É a única arma de guerra usada por Cristo.



Seu Rosto.  Ap 1:16c
  • Na cruz: Jesus estava com o rosto desfigurado. “Não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele” (Is. 53:2)
  • Na visão: “e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece.”
  • Simbolismo: A luz de do Sol supera a luz dos candeeiros. A luz que vem dos candeeiros (igreja) emana Daquele que está entre eles. O fogo dos candeeiros emana do brilho do Rosto de Cristo. Estar no meio dos candeeiros é estratégico para garantir o brilho dos candeeiros.


- A reação de João é de rendição ao contemplar o Cristo Glorioso. (Ap 1:17)
Existe alguns pontos a serem elencados na reação de João.

  1. Cai è João sabe o que aconteceu. Embora arrebatado em espirito não lhe fora tomada a consciência.
  2. aos seus pés è João não cai para traz. Ele conscientemente se rende aos pés daquele que merece adoração.
  3. como morto è João está dizendo que perdeu seus sentidos, embora consciente do que está acontecendo ele não consegue falar, andar ou fazer qualquer outra coisa.


- A contrarreação de Jesus é de conforto e consolo.

Observemos o que Jesus faz:

  1. ele pôs sobre mim a sua destra è Jesus conforta João com a amparo de Sua mão, mão esta que está com as estrelas, Jesus está dizendo a João que mesmo com as mãos ocupadas com as estrelas Ele pode amparar a João.
  2. dizendo-me: Não temas; eu sou o Primeiro e Último e o que vive; fui morto, mas eis que estou vivo para todo sempre. E tenho as chaves da morte e do inferno è Jesus conforta com suas palavras dizendo que Ele é o início e o fim, que Ele começa e Ele termina. Reafirma que está vivo e que nunca perdeu o controle da história.
  3. O mistério das sete estrelas, que viste na minha destra, e dos sete castiçais de ouro è Jesus revela o mistério das estrelas e dos castiçais.  


O Livro fala de 7 candeeiros, 7 estrelas, 7 selos, 7 cabeças, 7 chifres, 7 montanhas. Sete é um número completo. A referência ao número sete simboliza a totalidade. Jesus está dizendo que todas as igrejas e todos os pastores estão sob seu controle e atividade. E que ele tem o controle sobre as estrelas e está em atividade na igreja, pois está no meio delas.

Conclusão

João viu o Cristo Glorificado no meio dos sete castiçais. Porém ele viu primeiro os sete candeeiros, a plenitude da igreja na terra, e só depois viu o Cristo Glorificado na igreja. O texto está dizendo que ninguém verá o Cristo da Glória fora da igreja. A salvação é por meio de Jesus, mas ninguém poderá ser salvo sem fazer parte da igreja que é a noiva do Cordeiro. Cristo valoriza tanto Sua igreja que Ele se dá a conhecer no mio dela e não à parte dela. 

Pr. Alexandre Pitante

Nenhum comentário:

Postar um comentário